QUERO DOAR R$ 10,00
by

O tempo embarcado em navio de longo curso é especial até 16.12.1998.

Trabalhador marítimo, atividade especial, INSS

A Previdência Social aceita que os trabalhadores marítimos, que exerceram atividade embarcados em navio de longo curso, tenham esse tempo convertido de especial para comum. Essa regra vale somente para aqueles trabalhadores que exerceram essa atividade até 16.12.1998.

A conversão é feita da seguinte maneira: a cada 255 dias embarcados corresponde a 360 dias trabalhados. O tempo em terra é comum. Assim, para facilitar o cálculo pode-se dizer que o tempo embarcado pode ser multiplicado por 1,43 para obter o tempo convertido. Abaixo transcrevo os artigos da IN 77 do INSS publicada em 21.01.2015 que regulamenta esta regra.

Art. 91. Será computado como tempo de contribuição o tempo de serviço marítimo exercido nos moldes do art. 93, até 16 de dezembro de 1998, vigência da Emenda Constitucional nº 20, de 1998, em navios mercantes nacionais, independentemente do momento em que o segurado venha a implementar os demais requisitos para a concessão de aposentadoria no RGPS.

§ 1º O termo navio aplica-se a toda construção náutica destinada à navegação de longo curso, de grande ou pequena cabotagem, apropriada ao transporte marítimo ou fluvial de carga ou passageiro.

§ 2º O período de marítimo embarcado exercido na forma do caput será convertido, na razão de 255 (duzentos e cinquenta e cinco) dias de embarque para 360 (trezentos e sessenta) dias de atividade comum, contados da data do embarque à de desembarque em navios mercantes nacionais.

Art. 92. O marítimo embarcado terá que comprovar a data do embarque e desembarque, não tendo ligação com a atividade exercida, mas com o tipo de embarcação e o local de trabalho, observando que:

I - o tempo de serviço em terra será computado como tempo comum; e

II - o período compreendido entre um desembarque e outro, somente será considerado se este tiver ocorrido por uma das causas abaixo:

a) acidente no trabalho ou moléstia adquirida em serviço;

b) moléstia não adquirida no serviço;

c) alteração nas condições de viagem contratada;

d) desarmamento da embarcação;

e) transferência para outra embarcação do mesmo armador;

f) disponibilidade remunerada ou férias; ou

g) emprego em terra com mesmo armador.

Art. 93. Não se aplica a conversão para período de atividade exercida em navegação de travessia, assim entendida a realizada como ligação entre dois portos de margem de rios, lagos, baias, angras, lagoas e enseadas ou ligação entre ilhas e essas margens.

Art. 94. A conversão do marítimo embarcado na forma do art. 92 não está atrelada aos anexos dos Decretos nº 53.831, de 25 de março de 1964 e nº 83.080, de 24 de janeiro de 1979, não sendo exigido o preenchimento do Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP.

Fórum do Consultor. Pergunte sobre os benefícios do INSS